Grito dos Excluídos 2020: ”Vida em primeiro lugar”

O primeiro Grito dos Excluídos aconteceu no ano de 1995, e foi uma ação proposta pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil no interior da Segunda Semana Social Brasileira. Naquele ano o tema do Grito dos Excluídos foi: “Brasil, alternativas e protagonistas”, inspirada na Campanha da Fraternidade de 1995, que tinha como lema: “A fraternidade e os excluídos”.
Tradicionalmente, o Grito dos Excluídos é celebrado no dia 7 de setembro, dia do grito da independência do Brasil, para trazer à tona o grito de tantos e tantas que são excluídos dos direitos básicos. Mais que uma articulação da CNBB, o grito é uma manifestação popular carregada de simbolismo, que inclui pessoas, entidades, movimentos sociais e igrejas, que são comprometidos com a causa dos que são “incluídos precariamente” nos âmbitos sociais, econômicos e políticos (MARTINS, 1997). O próprio Papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium se atenta diretamente para a “economia da exclusão e da desigualdade”, que provoca tantas privações e sofrimentos aos irmãos e irmãs mais pobres .
Essa ação é grande expressão do apelo do Papa Francisco para uma “Igreja em saída” (2013, p. 21), e apresenta como proposta central o debate da soberania nacional do país, superando o patriotismo passivo, e trazendo a consciência da importância de uma cidadania ativa do cristão e da cristã, fazendo nascer assim uma sociedade mais justa, solidária e fraterna. Esse movimento não se limita apenas ao dia 7 de setembro, mas é uma proposta de reflexão e de tomada de atitude que acontece antes e depois desta data.
Na Diocese de Itapeva, sempre existiram ações do Grito dos Excluídos. No final dos anos noventa e meados do século vinte e um, as ações eram particularmente programadas pela Pastoral da Juventude, nos diversos grupos de jovens que existiam na diocese. No ano de 2018, foi retomada a reflexão em âmbito diocesano. Os primeiros encontros aconteceram na cidade de Guapiara, mais precisamente no Santuário Nossa Senhora d’Ajuda, localizado no bairro Capela do Alto, território rural da cidade. A participação do povo da diocese está crescendo, na medida em que há um aprendizado efetivo da proposta.
Nesse ano de 2020 celebramos o 26º Grito dos Excluídos, que apresenta a seguinte tematização: “Vida em primeiro lugar”. Com o lema: “Basta de Miséria, Preconceito e Repressão. Queremos Trabalho, Terra, Teto e Participação” . Essa proposta vem, mais uma vez, ao encontro do tema da Campanha da Fraternidade 2020: “Fraternidade e vida: dom e compromisso”. Que o compromisso com a vida seja mais uma vez reafirmado por todos os cristãos e cristãs, “pelo anúncio da palavra de Deus, […] à luz da evangélica opção pelos pobres” .
Professor Tiago Souza. Coordenador da Campanha da Fraternidade – Diocese de Itapeva. Membro da Cáritas Diocesana e do Movimento Voz dos Pobres. Licenciado em História, Pedagogia e Especialista em Filosofia e Direitos Humanos pela PUC/PR. Mestrando em Educação pela Universidade Federal de São Carlos, na linha de Educação, Comunidade e Movimentos Sociais.

REFERÊNCIAS
CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. Campanha da Fraternidade 2020: Texto-Base. Brasília: Edições CNBB, 2019.
CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil: 2019-2023. Brasília: Edições CNBB, 2019.
FRANCISCO, Evangelii Gaudium: a alegria do Evangelho; sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual. São Paulo: Paulus & Loyola, 2013.
MARTINS, J. S. Exclusão social e a nova desigualdade. 1. ed. São Paulo: Paulus, 1997.