A Missão dos Acólitos e Coroinhas na vida da Igreja

Neste mês dedicado a missão, somos convidados a olhar para a Igreja sempre em saída, e compreendermos que a sua essência missionária está no serviço do altar e do próximo e, é nesta acolhida da juventude que nascem muitas vezes às vocações, principalmente no ministério de acólitos e coroinhas.
A exemplo de seu patrono, São Tarcísio, que mesmo sendo uma criança se colocou a serviço da Igreja buscando levar a sagrada Eucaristia aos que se encontravam preso por causa da perseguição, os acólito e coroinha são convidados a dedicarem também o seu chamado ao cuidado do altar, levando aos sacerdotes as oferendas do povo de Deus que serão oferecidas na santa missa.
Hoje, vemos muitos exemplos da juventude como São Tarcísio que se doaram pela Igreja e são venerados como santos e beatos, ou seja, é nesta renovação do chamado de Deus que entendemos a nossa vocação, que ultrapassam os limites do altar e chegando ao próximo, o acólito e coroinha devem ser os primeiros a testemunharem este amor a Cristo que se doa e se faz alimento.
Por isso, é sempre bom fazermos este paralelo entre a missão do serviço do altar, e a missão de ser cristão, pois é no altar que entendemos que Cristo ao instituir a Eucaristia não se fez diferente de nós, mas nos ensina que a missão começa quando aprendemos a servir o próximo, como ele fez lavando os pés dos discípulos, e ao partir o pão se doando em alimento para suportamos a caminhada desta missão.
Muitas vezes, achamos que ser missionário é apenas fazendo a experiência de ir para outros países, mas esta é apenas uma face deste chamado de Deus a nós, mas muitas vezes somos convidados a responder a este convite de Deus nos trabalhos dentro de nossas próprias comunidades e paróquia, e como é belo quando um jovem entende que é no seu sim, que a Igreja sempre se renova e se faz peregrina.
Por isso, ser acólito e coroinha é entender o amor de Deus por nós, e sabermos que somos apenas um pequeno instrumento nas mãos dele, nas bênçãos das oferendas e na partilha da Eucaristia, o acólito e o coroinha, não é apenas o ajudante do padre, mas sim, aquele que leva ao sacrifício de Cristo o sofrimento e o cansaço do povo de Deus para ser oferecido por amor a nós.

Pe. Edson Aparecido de Sene Queiroz
Paróquia Divino Espirito Santo, Itararé SP